[Documentário] [Resenha] Anne Frank - Vidas Paralelas

    


      A Netflix apresenta em "AnneFrank - Vidas Paralelas" fatos sobre a vida de Anne, uma adolescente judia que viveu escondida com a família, por dois anos, para evitar ser deportada para um dos campos de concentração do regime nazista.

         Com trechos marcantes do seu diário interpretados pela atriz Helen Mirren, de dentro do quarto da jovem no Anexo Secreto, hoje a Casa Anne Frank, museu localizado em Amsterdã, o documentário passeia pela vida da menina, apresentando fotos e nos brindando com imagens de uma visitante percorrendo os locais que contam a sua história e refletindo sobre sua trajetória.
Paralelo a isso, a saga de cinco sobreviventes dos horrores nazistas é relatada em momentos de medo e de dor: um espelho do que teria nos contado a própria Anne, se sua voz não tivesse sido calada.
       Triste, inquietante, melancólico, o documentário trânsita entre os campos de concentração de países envolvidos no Holocausto, expondo as marcas do genocídio mais documentado e, possivelmente, cruel da humanidade.
       Cada paisagem grita em meio ao silêncio que sufoca até mesmo através da tela. A impressão é de que até os passarinhos sentem que seu canto é um direito indevido. Lágrimas queimam os olhos como se a culpa nos corroesse as entranhas e nos deixasse frente a frente com a autoria do nosso próprio crime. Não é lenda. Fomos nós. Fomos todos nós.
      Perdão, Anne. Perdão Nanettes, Helgas, Sarahs, Tatianas... Perdão a todos os judeus condenados, torturados, mortos. Perdão aos sobreviventes e descendentes que carregam a cicatriz de almas mutiladas e a responsabilidade de perpetuar a História nas costas. Perdão.
       E então, gritemos ao mundo a nossa culpa, tomemos a missão de propagarmos que o que aconteceu foi real: gases, desnutrição, epidemia de tifo, porretes de metal e tatuagens gravadas com prego, tinta e números banhados em sangue. Cadáveres se decompondo amontoados ao ar livre e fumaça preta e fétida saindo das chaminés.
      Gritemos o mais alto que pudermos! E cuidemos. Cuidemos do hoje. Cuidemos do agora. Para que o futuro não seja o reflexo do ontem, em que seres humanos são torturados por algozes totalitaristas que não veem problema algum em massacrar quem lhes convém. Para que valas comuns degradantes nunca mais existam.

                                "Eu quero continuar vivendo, mesmo depois da minha morte.
                                                            Sua, Anne Marie Frank.

    Viva, Anne, através da minha voz que grita, por toda a eternidade.

    Se você quiser saber mais sobre Anne Frank, o seu diário é leitura obrigatória!
Abaixo seguem algumas sugestões de filmes/documentários e livros sobre ela.


Filmes/Documentários:

* O Diário de Anne Frank (2016)
* Minha Querida Anne Frank (2009)
* A Lembrança de Anne Frank (1995)
* Anne Frank (vídeo diário) - Casa de Anne Frank, canal do Youtube


Livros: 

*O Diário de Anne Frank - Anne Frank 
*Contos do Esconderijo - Anne Frank
*Os Sete Últimos Meses de Anne Frank - Willy Lindwer
*Memórias de Anne Frank, Lembranças de uma Amiga - Adison Leslie Gold
*Os Colegas de Anne Frank - Theo Coster
*Eu, Miep, Escondi a Família de Anne Frank - Miep Gies
*Eu Sobrevivi ao Holocausto - Nanette Blitz Konig

11 comentários

  1. Que intenso! Seu texto é poético.
    Parece até que estamos vivenciando parte disso tudo. Dessa atrocidade. Concordo que temos culpa nisso sim.
    A humanidade perde sua beleza em busca de seus próprios objetivos e muitas vezes colocam pessoas podres no poder.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Kim!
      Muito obrigada pelo elogio! :)
      Esse tema é sempre muito inquietante e nos faz refletir sobre nossos valores.
      Vale muito a pena assistir ao documentário!
      Beijo grande para vc! Sempre uma querida!

      Excluir
  2. Oiii Lu, tudo bom?

    A história da Anne, como de tantos outros vítimas do Holocausto é necessária, dura e precisa ser lembrada e recontada sempre, achei mega interessante esse documentario da Netflix, não conhecia, deve ser bem emotivo.

    Beijos, Ivy

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie!!!
      Feliz por seu comentário. :)
      Concordo com vc: o tema é mais que necessário!!!
      Quando puder, assista ao documentário. É muito bom!
      Seja bem-vinda sempre por aqui.
      Beijo grande!

      Excluir
  3. Nossa eu li o livro da Anne pra um trabalho quando eu tava no fim do ensino fundamental e nossa, eu fiquei muito abalada com essa história, mas ela foi o pontapé pra eu gostar de livros de True Crime.
    Eu ainda não assisti ao documentário porque tenho medo de ficar meio chocada, mesmo que eu já esteja acostumada, Holocausto é um assunto que ainda me abala um pouco.
    Adorei seu post e as indicações!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Bianca!
      Que bom que gostou do post! :) Escrevi com muito carinho. Vc é sempre muito bem-vinda para trocar figurinhas com a gente.
      O documentário é realmente bem impactante, mas isso só acentua a sua importância e necessidade na atualidade. Assista quando se sentir preparada.
      Beijo carinhoso para vc!

      Excluir
  4. Oi Lu

    Eu ainda não tive a chance de assistir este documentário e também ainda não li o diário de Anne Frank,mas já li Eu, Miep, Escondi a Família de Anne Frank da Miep Gies e foi uma leitura marcante. Vou anotar a dica para assistir logo porque desejado conhecer mais um pouco sobre a história. Adorei sua dica.

    Bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Kênia!
      Sim, anote essa dica porque, se vc gosta dessa temática (muito necessária por sinal!), a história da Anne é um ponto de partida excelente. O documentário reforça ainda mais a força da sua obra e a importância de não deixarmos os horrores do Holocausto cairem no esquecimento.
      Bem-vinda por aqui sempre.
      Beijo.

      Excluir
  5. Oi, tudo bem?
    Eu ainda não conhecia esse documentário, mas acredito que seja muito tocante. Confesso que não tive coragem de ler O diário de Anne Frank ainda porque acho que deve ser tão triste que sempre vou adiando. Pelo mesmo motivo, não sei se eu assistiria o documentário agora. Ando buscando só coisas mais leves para ler e assistir, porque já estamos passando por um momento tão difícil e quero só coisas para relaxar.
    Mas que bom que você gostou tanto do documentário. Parece ser realmente forte, triste e muito tocante. Talvez algum dia eu crie coragem para assistir.
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Maria Luíza!
      É um prazer tê-la por aqui. :)
      Também estou nessa fase de querer assistir e ler coisas mais leves. Estamos vivendo tempos bem difíceis, né? Super te entendo!
      O documentário é bem forte e impactante. Necessário e atual como sempre também.
      Quanto ao diário, não é assim "tão triste". A Anne é um exemplo de força e superação de dificuldades, tudo isso misturado ao fato de que ela é uma menina em desenvolvimento como qualquer outra, com sonhos e sentimentos bem típicos da idade dela. O fato de estar confinada a faz amadurecer bem rápido, e o diário traz essas reflexões em sua grande parte.
      Não deixe de ler o diário e assistir ao documentário quando tiver oportunidade. São muito valiosos!
      Beijo no coração!

      Excluir
  6. Eu ainda não li o livro, mas gostei de ver que a Netflix fez essa produção e fiquei bem curiosa para ver. Espero conseguir ler o livro ainda esse ano e ver a série também

    ResponderExcluir