[Resenha] Aqueles que nos salvaram - Jenna Blum


"Uma história que ultrapassou todas as barreiras e preconceitos religiosos e ideológicos em nome do amor. Aqueles que nos salvaram conta a história de Anna, uma jovem de 18 anos com um futuro promissor aos olhos do pai, um simpatizante nazista: casar-se e ter filhos com um oficial alemão. Ao se apaixonar por um médico judeu, no entanto, sua vida muda completamente.

Revelando uma história de paixão e amor condenado, um retrato sobre a vida durante a guerra e um impressionante drama da relação mãe e filha, o livro explora profundamente aquilo que escolhemos suportar ou resistir para sobreviver e o legado da culpa."
Autora: Jenna Blum.
Páginas: 392.
Editora: Casa da Palavra.



Em mais uma história sobre o tema nazista, seus fatos e legados de horror, temos a composição do passado e do presente vivificado em duas mulheres. Anna é uma senhora de idade que interiorizou tantos traumas que não consegue mais falar com as pessoas. Trudy é uma mulher de meia idade que leciona e está envolvida em um estudo sobre o papel das mulheres na Alemanha Nazista.

Sem dúvida, é uma história extremamente amarga e não há meio termo sobre ela. Enquanto encaminhamos no presente de Trudy, intercalados, há capítulos sobre Anna na Guerra. Na época com 18 anos, debaixo dos olhos de um pai partidário do nazismo, ela conhece um médico judeu que revira totalmente sua vida. Tendo que se hospedar em uma padaria, cuida sozinha da filha que tem nos braços.

Sem conhecer nada sobre seu passado, Trudy realiza entrevistas com sobreviventes da guerra e acaba se perguntando sobre o próprio passado obscurecido pela mãe. Tudo o que tem é uma foto de Anna, Trudy pequena e um oficial Alemão juntos.


A maior parte da história perpassa pela difícil decisão de Anna de suportar tudo por amor à filha. Abusos são friamente narrados. À medida que Trudy se envereda no passado, começando a questionar atitudes da mãe, muito sobre essas decisões são levantadas. Talvez a leitura não seja das mais cativantes, pelas cenas fortes e cruéis; contudo, ela levanta sentimentos características de um bom romance histórico sobre o tema: perturbação e inquietação, mas satisfação por entender melhor, em uma realidade fictícia, medos e receios verdadeiros.

Não há nada de romance romântico nessa história e acredito que a maturidade que ela exige seja vital na compreensão total do enredo. Compreender o período histórico também é um fator aliado na percepção aguçada da diferença desse tipo de narrativa, que tenta ser a mais verídica possível, para os mais fantasiosos (consequentemente, mais acalentadores).

6 comentários

  1. Oi! Tudo bem?

    Obrigada pela resenha. Eu nunca ouvi falar desse título, mas já sei que será uma das minhas leituras a serem feitas ainda esse ano, por conta da temática. Imagino que deve ser uma leitura densa e pesada... e como falastes, é necessidade possuir maturidade histórica pra compreender no todo uma obra desse calibre.

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Ai, esses livros sobre o nazismo são livros que sempre pegam no meu ponto fraco sabe. Essa época é tão sombria e saber que a gente tá flertando com isso de novo me dá até arrepio.
    Esse livro parece ser bem denso e pesado, gostei muito dos pontos abordados na resenha, vou colocar na minha lista, já quero!

    ResponderExcluir
  3. Oiieee

    eugostei porque esse livro não romantiza a realidade do que narra, parece ser duro e extremamente realista, triste sem dúvidas mas o tipo de leitura necessário para nos fazer refletir e reviver aqueles tempos que não devem ser esquecidos, para que a gente não venha a repetir os mesmos erros.Com certeza leria esse livro.

    Beijos, Ivy

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  4. Olá, tudo bem? Algumas histórias mexem com o nosso emocional néh? Faz um tempo que estou comprando e guardando alguns livros sobre a segunda guerra mundial, porque pretendo ler vários um atrás do outro e tentar entender a realidade daquelas pessoas mas, estou preparando o meu emocional primeiro, porque sei que irei chorar com essas histórias.
    Ainda não conhecia esse livro, irei adicioná-lo a minha lista de compras!

    Viviane Almeida
    Resenhas da Viviane

    ResponderExcluir
  5. Olá, tudo bem? Esse tema é bastante forte e pra ser sincera eu evito ler porque sempre acabo bastante emocionada, entendo a sua necessidade para que nunca esqueçamos do que passou mas pra ser sincera eu evito ler.

    ResponderExcluir
  6. Olá!

    Temas como esse eu prefiro ler em doses pequenas e esse ano eu já tive a minha, mas achei a premissa bem interessante e um tanto diferente dos livros do mesmo período que tive acesso. Adorei a resenha, bem objetiva e com muita personalidade. A dica está anotada.

    Beijos
    https://leitura-terapia.blogspot.com

    ResponderExcluir