[Resenha] Sonhos e as pedras no caminho - Felipe Rima


Resultado de imagem para sonhos e as pedras no caminho resenhaSinopse: Quem nunca ouviu falar no poder dos sonhos? À primeira vista, pode parecer comercial de TV ou slogan de filme,porém felizmente, no caso de Felipe Rima é pura realidade. O menino sonhador e teoricamente com ‘destino já traçado’ na comunidade da Zareia (CE), em tom de bate-papo, como quem manda um rap, com toda sua poesia e verdade conta sua história de pedras e vitórias. A narrativa passeia não apenas pela história de Felipe, mas traz personagens e momentos marcantes para compreender seu universo: a cumplicidade com o vizinho e melhor amigo Mariano; o contato com armas e drogas ilícitas; a figura do pai, ex-dependente químico e sua história de superação; o drama da mãe que tentava, por meio de muito trabalho, desvencilhar a família do crime; a transformação de Felipe sob os olhos da socióloga e professora Glória Diógenes; a árdua tarefa de manter os sonhos acesos dentro de um cenário inóspito a ilusões; e, por fim, um receptor especial da arte de Rima. Vencendo as infindas dificuldades sociais, drogas, caminhos do crime e pedras incontáveis, o jovem rapper e escritor conta como construiu seu castelo de sucessos, ou parafraseando o mesmo “como descobriu o valor dos sonhos, e se virou pra realizar”.

Páginas: 112.
Autora: Felipe Rima.
Editora: CeNe


 Uma história real de superação e aprendizado, com muita emoção para os leitores.
 Comecei a ler “Sonhos e as pedras no caminho” durante o carnaval, mas acabou que como não estava em casa foi difícil encontrar um local calmo para finalizar a leitura. Dessa forma, o livro viajou de volta para casa comigo e seguiu me acompanhando no meu momento de leitura cotidiana dentro da condução no caminho para o trabalho.
 A narrativa começa em Fortaleza, onde Ribamar Felipe Souza Miranda, mais a frente conhecido como Felipe Rima, viu sua infância tomada por altos e baixos. Nascido em uma comunidade, Felipe esteve cara a cara com todas as “facilidades” que o crime tem a oferecer. O exemplo? Seu próprio pai, que por ser respeitado por todos na comunidade, era seu ídolo. Felipe via seu pai como a pessoa que ele tinha como referência para seguir os passos.


 A história de Felipe tinha todas as chances de seguir por um caminho triste, como acontece com muitos jovens em nosso país, mas sua salvação já estava desenhada em sua trajetória.
 Através de um projeto de hip hop que um amigo comenta para participarem, nosso autor entra em um mundo onde nunca se imaginou: O mundo da poesia, da arte e da criatividade. 
Tinha uma pedra no meio do caminho.

 Realmente tinham inúmeras pedras no meio do caminho, e com elas Felipe construiu um futuro lindo.
 Envolvo em preconceito, Felipe Rima via poemas como textos exclusivamente românticos, e como tinha aprendido com seu pai que homem não chora, imagina se ele pensava que homem podia gostar de poemas?
 Em um momento crítico de sua vida, no qual seu pai se perdeu no crack, sua mãe seguiu a vida tentando salvar os filhos da mesma realidade.
 Confesso que em muitos momentos precisei fechar o livro por ter me emocionado demais.
 Independente de ter ficado de frente para o mundo do crime e das drogas, Felipe ainda assim consegue enaltecer toda sua experiência, consegue demonstrar seu amor por sua família de forma profunda. É lindo conseguir ver algo tão puro.
 Muitas vezes achamos que tudo é difícil na vida, mas ver a história de Felipe tendo que catar latinha para ajudar a comprar o leite do irmão mostra que só mesmo com toda a dificuldade do mundo, a força de vontade ultrapassa todas as barreiras das desculpas.
 Além de conseguir ter uma vida digna, o autor se dedicou a levar sua história para inspirar outras pessoas com a realidade próxima ao que foi o seu passado.
 Um livro curto, com uma história forte.
 Super indico, e Felipe, caso venha ler minha humilde resenha, quero dizer que você é um ser humano iluminado!
 Que Deus continue te guiando sempre, para levar luz em lugares que as pessoas não conseguem enxergar mais.
Eu acredito nas possibilidades. Acredito nas mudanças. Acredito no ser humano e na capacidade de dar a volta por cima, de superar obstáculos, de criar para si um novo rumo em uma estrada de vitória.


7 comentários

  1. Oi Vanessa,
    é difícil fazer esse tipo de leitura que mostra toda a realidade nua e crua do que é nossa sociedade para as pessoas mais pobres, sempre fico meio para baixo quando faço leituras assim. Mas sem dúvidas é importante disseminar essas histórias, para que as pessoas vejam a realidade das pessoas que vivem em comunidades mais pobres. No fim nem todos os garotos conseguem ter a mesma sorte que o Felipe teve. ótima dica de leitura!!

    Beijos!
    Eita Já Li

    ResponderExcluir
  2. Oi Vanessa, nós aqui somos fãs dos livros da editora Cene, minha filha leu este livro e amou. Com certeza é uma história muito emocionante e de muita superação, que bom que tu gostou, é o tipo de livro que me faz chorar. Ótima resenha.
    Bjos
    Vivi
    Blog Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  3. Esse tipo de leitura costuma ser bem dificil pra mim, eu sempre fico muito mexida com histórias que escancaram a realidade sabe, ainda mais quando o personagem é mais novo, me da um aperto no coração. Mas mesmo assim, são leituras extremamente necessárias, que precisam existir pra mostrar que a gente pode tudo, mesmo que as vezes não pareça.
    Fiquei curiosa pra ler, já quero!
    Adorei tua resenha!

    ResponderExcluir
  4. Oi, tudo bem? Nunca tinha sabido do livro e fiquei com vontade de conhecer, por se tratar de uma realidade diferente da minha, acho que pode ter ensinamentos muito humanos. Acho muito importante como a arte faz a diferença nas vidas das pessoas e esse personagem traz essa lição. Nem sempre as pessoas mais carentes acreditam que a arte é para elas, pois estão acostumados a vê-las em museus e locais elitizados, mas é muito bom poder levar a arte a elas e fazê-las perceber que ela pertence a todos. Trabalhei num centro cultural durante dois anos e a nossa maior dificuldade era justamente essa: fazer os mais vulneráveis entenderem que a arte também era para eles. E, ah, discordo totalmente dessa sua visão de que é só "força de vontade", isso é romantizar a situação e, inclusive, ignorar todo um contexto sociocultural e histórico. Não é sobre força de vontade é obre oportunidades, e acho que o livro conseguiu levar essa lição. O personagem teve a oportunidade de ter seu caminho modificado por causa da arte, não porque se esforçou. No mais, obrigada pela dica, adorei! :)

    Love, Nina.
    www.ninaeuma.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Oi, adorei conhecer esse livro pelo seu post, bom saber que é uma leitura que nos emociona e nos toca, me parece ser bem marcante a trajetória do Felipe.

    ResponderExcluir
  6. Olá, tudo bem? Realmente histórias emocionantes, tendem a nos marcar de alguma forma. Não conhecia o livro, apesar de achar que um dos quotes não me é estranho de um poema que já li. Fiquei curiosa com o enredo e de ver o quanto gostou. Dica super anotada!
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Olá
    Realmente parece ser daquelas histórias bem emocionantes. Não conhecia a história mas parece ter toda aquela coisa de superar uma dificuldade, o que aprecio bastante em livros assim. Gostei bastante da capa.

    ResponderExcluir