[Resenha] Proibido - Tabitha Suzum



Olá gente!

            Vamos conversar sobre Proibido da autora Tabitha Suzuma, sem muita introdução, só leiam a resenha!


Resultado de imagem para proibido livroSinopse: Ela é doce, sensível e extremamente sofrida: tem dezesseis anos, mas a maturidade de uma mulher marcada pelas provações e privações da pobreza, o pulso forte e a têmpera de quem cria os irmãos menores como filhos há anos, e só uma pessoa conhece a mágoa e a abnegação que se escondem por trás de seus tristes olhos azuis.
Ele é brilhante, generoso e altamente responsável: tem dezessete anos, mas a fibra e o senso de dever de um pai de família, lutando contra tudo e contra todos para mantê-la unida, e só uma pessoa conhece a grandeza e a força de caráter que se escondem por trás daqueles intensos olhos verdes.
Eles são irmão e irmã.
Com extrema sutileza psicológica e sensibilidade poética, cenas de inesquecível beleza visual e diálogos de porte dramatúrgico, Suzuma tece uma tapeçaria visceralmente humana, fazendo pouco a pouco aflorar dos fios simples do quotidiano um assombroso mito eterno em toda a sua riqueza, mistério e profundidade.




Autora: Tabitha Suzuma
Editora: Valentina
Páginas: 304



            Essa é uma leitura que eu estou há anos para realizar, venho protelando devido às inúmeras opiniões a respeito, a principal é que o livro é devastador e eu procurei me preparar psicologicamente para encarar essa leitura, mas cheguei a um momento que eu precisei tirar isso do meu sistema e encarar a leitura, pois percebi e com razão, que nunca estaria preparada para enfrentar sem me envolver ou ser afetada de alguma forma pelo que existe nas páginas desse livro.


























           Ler “Proibido” me deu uma sensação sufocante, um medo, aquele sentimento de que algo ruim está bem ali na esquina. Quanto mais me aprofundava na história, mais emocionalmente exausta eu ficava e isso bem antes do BUM. A sensação era de que eu estava a poucos segundos de uma colisão, algo que eu queria mudar desesperadamente, mas não tinha a capacidade para fazer, só bastava ver a cena acontecer diante dos meus olhos, impotente. Não digo isso da maneira preconceituosa, mas as circunstanciais que levam ao fato e o desfecho do mesmo é de pirar qualquer um, impossível não torcer por um final feliz, não na situação especifica, mas pelos personagens como indivíduos isolados.   

            Comecei preparada para não deixar meus preconceitos me cegarem, comecei esperando sentir repulsa, incomodo, só que a coisa foi puxando para o outro lado, as razões foram ganhando espaço, a realidade dos personagens me convencendo, comecei a admirar Lochie e Maya, ver neles a força que eu mesma não teria e vi os dois lutarem tanto para serem socialmente aceitáveis, para manter tudo em ordem, para manter a família unida que ao final do livro já estava esquecendo as condições do envolvimento deles.



         Tabitha criou dois personagens fáceis de amar e querer proteger, ela criou uma história enraizada nos sentimentos e não no físico o que no fim tornou tudo muito mais difícil. Como separar o certo do errado quando existe tanto amor, quando existe uma explicação lógica para a coisa? Realmente é muito complicado... Esse é um livro muito complicado, mesmo sendo brilhantemente executado.

O que tornou esse livro tão impactante para mim foi o fato de ser contemporâneo, se tivéssemos falando de fantasia, mitologia ou alguma realidade inventada talvez eu não tivesse reagido com tamanha entrega, mas foi tudo tão real que mexeu mesmo comigo.

            Uma informação sobre a minha pessoa: “é muito difícil me fazer chorar” e esse livro me levou as lágrimas, não foi um chorinho contido de tristeza por personagem, foi compulsivo, eu senti o livro tão real que meu emocional ficou em frangalho. Não sei como classificar a leitura, pois tecnicamente é um livro muito bem elaborado, construído, tem uma história polêmica, forte, que é tratada com uma delicadeza impressionante, nesse quesito a autora está de parabéns e se fosse apenas por isso eu garanto que colocaria como favorito, mas emocionalmente falando isso não é possível, pois achei injusto o final. Não esperava um final de conto de fadas, mas também não esperava algo tão destruidor a ponto de me tirar do eixo, isso é bom? Sim, faz do livro algo a mais, me pegou de surpresa, mas faz do ser humano (personagens) algo vil, egoísta e desnecessário e eu não tenho como ter como favorito algo que me fez sofrer.



            Não quero mentir, então gostaria de deixar claro que essa leitura pode ser muito diferente do que vocês esperam, talvez não seja um livro que eu gostaria de recomendar, mas não posso em hipótese alguma demonizar ou dizer para vocês não lerem. Só quero que saibam de coração que não vai ser bonito, mas vai ser tocante, vocês vão ganhar uma lição de amor e altruísmo como eu nunca vi igual. A minha dica é: Estar preparado para sofrer e se por qualquer motivo algum de vocês sentir que não é a hora, deixem para depois, essa leitura pode ser muito difícil para alguns, como foi para mim.

 

            No mais, eu gostaria muito de conversar com vocês sobre isso, me contem como se sentiram quando leram (cuidado com os spoilers) ou suas expectativas, os comentários estão abertos para vocês.

Classificação
Impossível definir

Beijos e até a próxima!


Nenhum comentário