[Resenha] Cemitério- Stephen King


E para abrir o mês de outubro nada melhor do que trazer o mestre moderno do terror, Stephen King em uma das suas obras mais incríveis e assustadoras. Em O Cemitério King visita um dos medos primordiais da humanidade, o medo da morte. Na resenha de hoje vou falar do livro e também do filme baseado nessa obra que foi lançado na primeira metade de 2019.
Autor: Stephen King
Editora: Suma
Páginas: 424
Tradução: Mário Molina
Sinopse: Louis Creed, um jovem médico de Chicago, acredita que encontrou seu lugar naquela pequena cidade do Maine. A boa casa, o trabalho na universidade, a felicidade da esposa e dos filhos lhe trazem a certeza de que fez a melhor escolha. Num dos primeiros passeios familiares para explorar a região, conhecem um "simitério" no bosque próximo a sua casa. Ali, gerações e gerações de crianças enterraram seus animais de estimação. Para além dos pequenos túmulos, onde letras infantis registram seu primeiro contato com a morte, há, no entanto, um outro cemitério. Uma terra maligna que atrai pessoas com promessas sedutoras e onde forças estranhas são capazes de tornar real o que sempre pareceu impossível.



Vou começar dizendo que até alguns anos atrás eu tinha os dois “pés atrás” (porque um só não era o suficiente) quando alguém me recomendava ler algum livro do King, mesmo quando descobri que parte da minha minha infância e adolescência foram permeadas por adaptações de contos e livros do mestre. Eu, como a maioria das pessoas, acreditava que Stephen King apenas escrevia estórias de terror macabras, porém quando comecei a pesquisar sobre ele vi que um dos meus filmes da Sessão da Tarde favorito “Conta Comigo” era baseado em um conto do autor e, também, o filme que me fez refletir sobre verdades ligadas a estereótipos e a humanização de pessoas à margem da lei e da sociedade

Resultado de imagem para conta comigoImagem relacionada

Foi só então que eu resolvi dar uma chance para os livros do autor. Preciso confessar que minhas primeiras tentativas de leitura foram fracassadas e que eu não consegui sair da página 30 de Carie- A Estranhas, mas como uma boa brasileira (que não desiste nunca) resolvi tentar mais uma vez e qual não foi a minha surpresa quando me deparei com o livro que vou resenhar hoje para vocês! Depois de ler a sinopse e assistir à uma vídeo-resenha resolvi tentar mais uma vez e, diferente de Carie, que eu não consegui chegar nem perto da metade, O Cemitério foi o livro que me prendeu e que eu só consegui soltar ao fim da leitura. Depois de uma maratona de 3 dias de leitura terminei a leitura desse “calhamacinho” com uma mistura de sentimentos ...um gosto agridoce na boca e me questionando sobre o que eu faria se estivesse no lugar de Louis.


Resultado de imagem para cemitério stephen kingVamos deixar de enrolar e falar sobre a estória não é mesmo? Acho que para começar é importante dizer que a estória desse livro veio da vivência do próprio autor com a morte. Segundo o próprio autor, sua filha tinha um gato chamado Smucky que, assim como a filho da personagem do livro, morreu atropelado. Como o gato era de grande estima da menina a família resolveu fazer um funeral e enterrar o bichano em um cemitério de animais. A partir dessa situação tão “corriqueira” Stephen começou a se perguntar “E se Smucky voltasse?” juntando esse pensamento ao da possibilidade da morte dos entes queridos nasceu o livro que segundo o próprio autor é seu livro mais assustador. E preciso concordar... com uma temática tão próxima ao medo real da humanidade, King explora nossos sentimentos de empatia com Louis e sua família e nos faz questionar o tempo todo se não faríamos as mesmas escolhas e encarar de frente a perspectiva da morte dos nossos pais, avós, filhos e amigos. Esse é um daqueles livros escritos para abalar o seu psicológico e te fazer repensar a forma que você enxerga o mundo.

Imagem relacionadaAgora o filme... Bem, a estória está muito bem adaptada tendo algumas modificações que não incomodam à princípio e conseguimos até mesmo concordar com elas, porém a mudança no final me incomodou muito e para mim tirou a essência do que o autor nos queria transmitir e a perturbação que ele queria nos deixar no final, apesar disso acredito ser uma adaptação que dever sim ser assistida e que foi cuidadosamente pensada em respeito aos fãs e ao próprio autor.  Apesar disso os atores foram primorosamente escalados e dirigidos sendo fácil para o espectador “comprar” os sofrimentos e traumas e nos simpatizarmos com seus desafios ao longo da trama.



“O solo do coração de um homem é mais empedernido, Louis – murmurou o moribundo. – Um homem planta o que pode...E cuida do que plantou”

Nenhum comentário