Olá!!

Se a Távola redonda, Artur, Guinevere, Merlin e Lancelot são nomes que te encantam e te fazem pensar em uma época nobre, cheio de cavaleiros em cavalos brancos, heróis e te faz ter vontade de viver na época medieval talvez esteja na hora de conhecer a verdade nua e crua desse período que é tão exaltado nos cinemas, mas que não é chamado de “Idade das trevas” à toa.


Sinopse: O rei do inverno é o primeiro volume da trilogia As crônicas de Artur do escritor inglês Bernard Cornwell sobre o lendário guerreiro Artur, que passou para a história com o título de rei, embora nunca tenha usado uma coroa. Um dos mais importantes autores britânicos da atualidade, Cornwell já foi traduzido para mais de dezesseis línguas e seus romances alcançaram rapidamente o topo das listas de mais vendidos: foram mais de 4 milhões de exemplares em todo mundo. A chave de seu sucesso está na criteriosa pesquisa histórica e na narrativa envolvente com a qual Cornwell disseca a vida de seus personagens. O rei do inverno conta a mais fiel história de Artur, sem os exageros míticos de outras publicações. A partir de fatos, este romance genial retrata o maior de todos os heróis como um poderoso guerreiro britânico, que luta contra os saxões para manter unida a Britânia, no século V, após a saída dos romanos. O valoroso soldado cresce dentro do exército do rei e dentro da narrativa de Cornwell até se tornar o melhor amigo e conselheiro de Artur na paz e na guerra. Cornwell resgata, em O rei do inverno, curiosidades dos confrontos no início da era cristã, como o ritual do xingamento. Os comandantes dos exércitos rivais esquentavam o ânimo para a batalha se encontrando no meio do campo e trocando insultos. Nesta versão da lenda, Artur - filho bastardo do rei Uther Pendragon - penhora sua fidelidade e proteção para Mordred, herdeiro legítimo do trono. Numa Bretanha habitada por cristãos e druidas, dividida entre diferentes senhores feudais e seus respectivos interesses e ameaçada pela invasão dos saxões, Artur emerge como um poderoso e corajoso guerreiro capaz de inspirar lealdade e unir o país. Uma personalidade complexa, impelida por honra, dever e paixão, iniciada com maestria por Cornwell em O rei do inverno, e finalizada em Inimigo de Deus e Excalibur, próximos títulos da trilogia. Apesar de morar nos Estados Unidos desde 1979, quando se casou e desistiu de uma carreira como produtor de TV para se tornar escritor, Cornwell reteve o senso de fina ironia britânico. Ele coleciona mapas e gosta de pesquisar sobre conflitos famosos visitando os campo de batalha.


Autor: Bernard Cornwell
Editora: Record
Páginas: 546


Alguém aqui além de mim se encanta com a história do “Rei Artur”? Se sim essa é uma trilogia que você TEM que colocar na sua lista de leitura. Ainda não te convenci? Você é fã de livros cheios de sangue, guerras e conspirações? Então essa é a trilogia que você está procurando. Ainda não? E que tal um narrador observador cativante e que te faz se sentir em uma parede de escudos e o cheiro de sangue.


            O Rei do Inverno é o primeiro livro da trilogia Crônicas de Artur escrita por Bernard Cornwell. Nele Cornwell nos apresenta uma versão bem diferente e mais real do que teria acontecido com Artur. Usando um personagem que passou por todos os acontecimentos e escreve sobre eles durante sua velhice, o autor consegue te transportar para dentro da história e nos apaixonarmos por Artur, sua vontade de fazer o certo, trazer a paz para o seu povo e de viver uma vida simples. Além disso, conhecemos um Merlin bem diferente do que estamos acostumados, irônico e rabugento, mas o mesmo sábio de toda história. O interessante desse livro é que o autor faz questão de nos jogar de um lado para o outro, enquanto em um momento ele nos faz acreditar que uma situação é mística e influenciada pelos deuses em outro momento nos faz acreditar em mágica. Acho que vale destacar que Cornwell é tão cuidadoso que fez uma pesquisa histórica para poder costurar fatos reais com a história de Artur, tornando mais real e possível a existência de Artur, Galahad, Merlin e todos os outros. Enquanto eu lia o que mais me tocou foi a inocência e a fidelidade de Derfel, tanto ao que acredita quanto aos amigos e ao seu povo.

Artur, na verdade, nunca foi rei. Era, sim, o filho bastardo de Uther, que se transformou no principal líder militar britânico no século V. Após a saída dos romanos da ilha, a Britânia viveu um período conturbado, durante o qual seu povo lutou pela posse da terra de seus ancestrais contra os invasores saxões. Uma época em que os velhos deuses tribais dos Druidas resistiam ao domínio dos cristãos e procuravam recuperar o prestígio e o poder perdidos durante a ocupação romana. Numa terra dividida entre diferentes senhores feudais e ameaçada pela invasão dos bárbaros do oeste, Artur emerge como um guerreiro poderoso e corajoso capaz de inspirar lealdade e unir o país. Uma personalidade complexa, impelida por honra, dever e paixão, que nos é apresentada de maneira jamais vista.

            O livro é simplesmente encantador e me fez ficar totalmente imersa e louca para continuar a ler a história de Derfel e sua vida como amigo íntimo de Artur. Se você é fã da história que até hoje encanta tantas pessoas devido ao mistério da existência ou não de Artur, mas que procura algo que também seja histórico eis uma boa pedida!

Classificação


Deixe um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...