Olá gente!

            Hoje vamos falar do primeiro livro da série The Enforcers da autora Maya Banks. Continuem lendo para saber o que eu achei de Submissa.


SubmissaSinopse:  Eles não seguem as regras. Eles FAZEM as regras. Evangeline nunca soube o que é viver no luxo, pois sempre teve que trabalhar duro para ajudar os pais e conseguir sobreviver em Nova York. Típica garota do interior, sente-se deslocada em meio à metrópole e percebe que ingenuidade e sinceridade, que sempre foram suas características mais marcantes, são vistas como defeitos pelos nova-iorquinos e, principalmente, por seu ex-namorado que a seduziu e a abandonou. Ele se apossa do que quer, sem remorso e sem culpa. Drake Donovan é um magnata do entretenimento e um dos milionários mais cobiçados do mundo. Ele e seus “irmãos” ergueram um império em Nova York, e o seu maior empreendimento é a badaladíssima Impulse, a casa noturna mais exclusiva da cidade. Acostumado a ter todos na palma da mão, Drake sente seu inabalável mundo balançar quando vê uma jovem com ar angelical e inocente perdida em sua boate. Quem era aquela garota? Ele não tem ideia, mas de uma coisa tem certeza: ela será dele! Ela não sabe se é capaz de dar o que ele deseja. Incentivada pelas amigas, ir sozinha à Impulse parece o plano perfeito para Evangeline se vingar do ex-namorado canalha. Mas o que está prestes a acontecer vai mudar sua vida para sempre. Uma proposta… Uma tentadora oportunidade de ter tudo àquilo que nem em sonhos ela imaginaria possível. O preço? Submissão total e completa.

Autora: Maya Banks
Editora: Gutenberg
Páginas: 321

           Esse foi meu primeiro contato com o trabalho da autora e eu achei na média para o gênero. Confesso que não me agradou tanto, por conta de alguns detalhes que eu vou contar para vocês mais abaixo, mas não foi um livro de difícil leitura. A narrativa é fluida e mesmo se tratando de um livro de 321 páginas é possível ler em um dia ou dois no máximo (experiência própria).

            Livros eróticos mesmo com todos os problemas que hoje me incomodam um pouco são ideais para me tirar da ressaca, posso está enfrentando a pior delas, mas é só começar um hot que pronto passa como um piscar de olhos, não sei que mágica esse gênero tem que permite uma leitura tão rápida e envolvente.







            Eu gostei bastante da construção da história, com um ar misterioso, que deixam um pouco para imaginação sobre o que de fato o protagonista faz para viver, com um toque de máfia que me encanta (adoro O Poderoso Chefão).  Achei realmente que esse livro tem bastante história, não é feito apenas de cenas e mais cenas de sexo, lógico que elas são abundantes, mas não parecem ser o único objetivo do livro o que é um ponto positivo.








            Uma coisa que me incomodou bastante foi o uso da palavra propriedade quando direcionada para falar da personagem principal, expressões como “Você é minha propriedade” me embrulhavam o estomago e realmente me incomodavam muito. Afinal, ele não comprou a menina em uma loja para que ela seja propriedade dele, nem de ninguém. Mesmo se tratando de submissão, coisa que na realidade não conheço bem, acredito que ninguém é DONO ou PROPRIEDADE de ninguém, cada um é dono de si, mesmo que a pessoa ou personagem em questão decida por vontade própria abrir mão do controle e ceder ao outro.



        Realmente tem coisas que me incomodaram. A relação tão bonita que a Evangeline (nossa protagonista) tem com suas amigas no começo do livro e eu amei, foi descartada como lixo e as meninas foram de amigas leais para vacas invejosas em menos de um minuto e poxa, mesmo que isso tenha fundamento, pois realmente tem, achei exagerado da parte da autora colocar da forma que foi e outra esses pensamentos e palavras sempre, repito SEMPRE reproduzidas pelo Drake.

            É crime gostar muito mais dos personagens coadjuvantes do que dos principais? Porque na real, eu simpatizei mil vezes mais com o Maddox e com o Silas do que com o Drake, por mais que a narrativa diga que Silas é perigoso, Maddox é perigoso que são homens implacáveis que “usam” as mulheres, vi neles muito mais paixão, gentileza e respeito pela Evangeline do que o Drake que diz a todo o momento que ela é “um presente” e deve ser tratada como prioridade.


            É impossível não dizer que os protagonistas não me agradaram nada, Drake como eu disse no parágrafo acima é o tipo de homem que dá ranço, tem seus momentos fofos, mas em sua maioria é distante, egocêntrico (se acha Deus) e rude. Já Evangeline é o tipo de personagem que leva uma tapa na cara, oferece o outro lado para pessoa bater e não satisfeita deita no chão e pede para pisarem em cima. No começo eu gostei tanto dela, sua alma bondosa, seu coração generoso que é tão citado na história, fazem dela uma pessoa boa, além do sacrifício e do trabalho duro por toda a vida, mas a menina começou a provar que falta amor próprio, seu problema de autoestima não é nada perto da falta de amor próprio dela. O orgulho do qual tem tanto apresso não existe, arrisco dizer que se trata de algo que ela criou na mente para se sentir melhor, porque ela não tem orgulho nenhum, é fraca e facilmente manipulável.

            As cenas eróticas são de fato envolventes, ali no meio entre uma cena de natureza erótica e outra eu fiquei chocada com um acontecimento em particular que eu não esperava, mas como acabei de ler Desejo Oculto (resenha AQUI) não fui tão pega de surpresa, mesmo assim foi sinistro.  Uma coisa incrível que eu achei, pelo encaminhar da narrativa, que a autora iria ser muito descritiva sobre o ato, mas me enganei, ela lógico narra as cenas até o final, dá nome aos bois, usa palavras “sujas”, mas conseguiu manter isso tudo no nível erótico e eu achei muito bacana essa característica do livro.






Não me leve a mal, eu continuo amando o gênero, mas quero mais personagens como Chloe Miller e menos Evangeline e ultimamente não tenho encontrado, então ando bem crítica com relação aos livros, mais que o normal.














Infelizmente esse livro não me agradou tanto quanto eu gostaria, mas tem pessoas que adoram. Então, deem uma chance, vai que o que me incomodou passe despercebido para vocês e leitura seja completamente agradável. 


Classificação



Beijos até a próxima!


13 Comentários

  1. Eu sou bem crítica à esse gênero justamente pela forma que as mulheres são retratadas, por isso leio muito pouco.

    www.estante450.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oie, nunca li nada da autora, mas já vi muita resenha algumas negativas e outras positivas, o problema não é com essa autora em questão, mas com o gênero em si. Não sou muito fã de Hot, claro que de vez em quando é uma ótima forma de entretenimento, porém com o tempo é cansativo principalmente pela repetição de personagens: Homens ricos, excêntricos, com dupla personalidade e a mocinha geralmente virgem e bondosa que deixa tudo para seguir com o relacionamento, é o mesmo padrão que torna esse gênero tão cansativo. Adorei seu blog!

    sonhoseaventurasdeamor.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Ola
    Já li outras resenhas sobre esse livro e todas falaram o mesmo : não gostaram kkk.
    Mas isso na foi o principal para mim, mas sim a premissa que não me chamou atenção. o BDSM e uma relação D/s 24/7 não é nem de longe como descrito na história ( não li ainda, mas uma amiga leu e descreveu as cenas, assim como os termos) então foi o que bastou para não colocar na minha lista de leitura.
    Mas para quem gosta, e sei que tem leitores que adoraram, é um prato cheio.
    Bjus

    ResponderExcluir
  4. Tudo bem?
    Já li um livro da autora e não curti. Não sou fã de hot erótico..
    Mas a escrita dela é muito fluída.
    Apesar disso, devido ao gênero, para mim não dá.

    Beijos.

    www.alempaginas.com

    ResponderExcluir
  5. Oii Thaysa

    A literatura erótica não é pra mim, não leio livros do gênero porque geralmente me cansam e há tantas coisas que pra mim não convencem. Enfim, não leria esse livro e após a resenha estou segura de que realmente não seria do meu agrado.

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  6. Olá,

    Eu não gosto de livros nas quais as personagens parecem e são tratadas como propriedades de seus enamorados e afins. Isso me parece um machismo escrachado e algumas vezes velado.

    Não luto a favor de igualdade de gênero para ler obras que as autoras, ao invés de darem uma liberdade maravilhosa para suas personagens, faz dela de "gato e sapato".

    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Infelizmente livro com essa pegada de submissão e afim não me agrada. Gosto de hot que capricha no contexto para colocar uma cena com bastante sensualidade e mais ainda quando é cheia de carinho.
    Não acho que seja crime gostar mais dos coadjuvantes, mas infelizmente o que é incomodo para você, também é para mim, sendo assim passo a dica.

    Abraços.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Oi Thayza tudo bem?
    Infelizmente não me senti atraída pela trana por conta do gênero, porém fiquei feliz em ver sua sinceridade ao analisar a obra. Essa coisa de "propriedade" e submissão é algo que não me deixa a vontade =/

    Beijos

    Sai da Minha Lente

    ResponderExcluir
  9. Olá, tudo bem Thaysa?

    Eu gostei da sua resenha, infelizmente esse não é um gênero que me desperta interesse, assim eu acabei solicitando para a Grazi, colaboradora da Saga, em breve teremos essa resenha por lá. Gostei da sua sinceridade!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  10. Eu gosto muito de livros eróticos e gosto bastante quando abordam uma relação BDSM bem trabalhada e desenvolvida, no entanto, esse livro me desagradou muito. Eu o li recentemente e não vi um dominador com a sua submissa, eu vi um homem abusivo e a autora romantizou e normatizou essa relação.

    ResponderExcluir
  11. Olá!
    Eu tenho um caso de amor e ódio com essa autora, não consigo gostar da forma como ela escreve romances contemporâneos. Geralmente enredos fracos e personagens irritantes. Por isso não pegaria pra ler, já os de época da Maya Banks sou apaixonada.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  12. Gosto dos enredos da Maya Banks, mas não li este ainda. Estendi sua explicação diante da palavra Propriedade, mas diante do contexto do enredo, não sei se estranharia, talvez pelo excesso mesmo.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
  13. Maya Banks é uma autora que amo demais, mas esse livro nao representa a sua escrita, ao meu ver a protagonista é tão fraga e aceita tudo tão tranquilamente, como se fosse uma boneca sem vida, sabe? O mocinho é um grande chato que me fazia revirar os olhos, uma pena, porque a história tinha tudo pra ser incrível.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...