Oi, pessoal!
 Hoje vim compartilhar com vocês mais uma história que deixou meu coração destroçado ele já quebrou tanto que nem sei como ainda consegue quebrar mais


Sinopse: Ambientado na dura realidade da Segunda Guerra Mundial, assista à comovente fábula chapliniana de amor e fantasia que conta a história de um homem que usa sua imaginação e seu infatigável espírito para salvar aqueles que mais ama.






Direção: Roberto Benigni
Gênero: Drama, Guerra (Não vi qual era o gênero antes de assistir)
Itália – 1997


 Sabe aqueles momentos que você para na frente da Netflix e começa a avaliar qual filme vai assistir? Dessa vez escolhi um título que já estava na minha cabeça tem um tempo, mesmo sem ter noção do que se tratava: A vida é bela.

 No início do filme eu acreditei que seria presenteada com um filme antigo dentro de suas limitações apresentando uma história de amor com bom humor. Uma comédia, talvez.
 Tudo começa quando somos apresentados a Guido. Um homem judeu que mesmo que a vida não pareça muito colorida, parece ser a personificação do bom humor.
Para ele não existe tempo ruim. Até mesmo depois de um quase acidente, o personagem encara tudo como se tivesse levado um tropeço e continua de onde parou, nesse caso, passando uma cantada bem humorada em uma moça que acaba de conhecer.
 Em certo ponto do filme conhecemos Dora, uma professora italiana reservada, que já tem a vida pré definida até certo ponto que se encanta pela espontaneidade de Guido, um estranho com quem ela começa a esbarrar mais vezes do que o esperado. 
 O romance se desenvolve de forma leve e descontraída e então... BUM! Eles se tornam uma família, super fofa por sinal.


 Talvez a essa altura você deva estar achando que eu:
A) ou estou indo rápido demais;
B) Não tive nenhum motivo para ter dado a introdução sobre o estado final do meu coração maltratado. 

 Tudo estava bonito. Até que vemos que a história da família italiana-judia se desenrola no auge da Segunda Guerra Mundial.
 Quando tudo parece estar caminhando de forma simples e feliz, Guido e seu filho Josué são levados de casa para um centro de concentração. E Dora? Esposa e mãe que não teria motivos para ser levada também? Coloca-se na frente para passar pela mesma cina de sua família. 
Eu achei a coragem dessa mulher de uma grandeza absurda. Sem dúvida ela se tornou uma das minhas personagens mais queridas de todos os filmes que eu já vi na vida, sem exagero. 
 E aí, meu povo, a gente ri enquanto chora.
Todo mundo que já estudou um pouco sobre os efeitos da guerra no povo judeu já tem uma noção do que aguardava nossos personagens, mas o que eu não estava pronta para ver era um pai tentando tornar a estadia do filho em um centro de concentração como se fosse uma grande brincadeira, para assim a criança não fosse sugada pela realidade cruel em que se encontravam. 


 Guido conta a Josué que eles estão participando de uma competição para ganhar um tanque de guerra de verdade (o brinquedo favorito de Josué é uma miniatura de tanque) e que para isso eles precisam seguir várias regras, como se esconder, não chorar pedindo comida ou pra voltar para casa ou qualquer outra coisa que ele como adulto sabia que podia causar algum castigo para seu filho. E é incrível. Simplesmente sensacional.


 Não vou me prolongar (ainda mais), mas posso garantir que essa é uma história que você não viu ainda, está perdendo uma lição linda. 
 A vida pode ser bela independente das dificuldades pelas quais passamos.


Você ainda não entendeu que, para me fazer feliz, é preciso muito pouco? Um bom sorvete de chocolate, talvez dois, um passeio juntos e que aconteça o que tem de acontecer.


 Mariiiia, faça com que alguém assista esse filme!!!!*

*Referência do filme, então se não viu ainda, aproveita que tem na Netflix!

Trailer



11 Comentários

  1. Já vi e revi este filme algumas vezes e é um dos que marcou me mais na vida. Vi pela primeira vez numa aula e amei.

    Aconselho a ver também a Lista de Schindler.

    Cumprimentos Os Piruças

    ResponderExcluir
  2. Um clássico que nunca vi, acreditas? acho que é desta eheh
    Sempre tive muita curiosidade mas nunca calhou ver.

    Beijo

    www.keke.pt

    ResponderExcluir
  3. Oi Vanessa!!
    Eu estou bem chocada por ser a primeira vez que tu viu A Vida é Bela. Esse filme é um clássico e daqueles de deixar a gente deitada em posição fetal sem querer levantar mais. Lindo, doloroso e impactante.
    Bjs
    https://almde50tons.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  4. Esse filme é maravilhoso, não me canso de assistir e recomendo para todos. Justo ter vencido o Oscar.

    ResponderExcluir
  5. Oi Vanessa, tudo bem?

    Ainda não conhecia o filme, então foi uma indicação nova para mim e que já me deixou bem interessada. Sou apaixonada pelas ambientações da Segunda Guerra Mundial e tudo que envolve este universo, seja em filmes ou livros. A história parece ser do tipo que nos deixa emotivos, então já sei que vou chorar muito. Adorei a dica!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Juro que ta na minha lista de clássicos para ver já tem um tempinho, acho que justamente por ser um filme ambientado na guerra, tenho deixado ele pra ver "num momento certo" porque as vezes tô numa vibe mais comédia, as vezes mais reflexivas, mas sem dúvidas um filme que ainda preciso ver esse ano.


    Raquel Pereira

    ResponderExcluir
  7. Esse filme é tão lindo, me tocou profundamente e sempre que vejo nem que seja um pedacinho de alguma cena já fico emocionada. é uma maravilhosa indicação.

    ResponderExcluir
  8. Achei legal, apesar de eu achar que esse tema "segunda guerra mundial" foi muito explorado pela TV, consegui da muitas risadas

    ResponderExcluir
  9. Esse filme é tristemente lindo! Chorei horrores quando o vi pela primeira vez e confesso que engoli o choro ao ler tua resenha. Aposto que pra vc valeu muito a pena o "engano".

    ResponderExcluir
  10. Me fez querer assistir o filme novamente, e ver ele com outros olhos. <3

    ResponderExcluir