Oi de novo!


       Hoje vim trazer para vocês a resenha de um livro que li já faz algum tempo.



     O céu está em todo lugar entrou para a minha lista de favoritos fácil, e vou te dizer porque.


Resultado de imagem para o céu está em todo lugar
Sinopse: Este é um livro de estreia vibrante, profundamente romântico e imperdível. Lennie Walker, de dezessete anos de idade, gasta seu tempo de forma segura e feliz às sombras de sua irmã mais velha, Bailey. Mas quando Bailey morre abruptamente, Lennie é catapultada para o centro do palco de sua própria vida - e, apesar de sua inexistente história com os meninos, inesperadamente se encontra lutando para equilibrar dois. Toby era o namorado de Bailey, cujos sentimentos de tristeza Lennie também sente. Joe é o garoto novo da cidade, com um sorriso quase mágico. Um garoto a tira da tristeza, o outro se consola com ela. Mas os dois não podem colidir sem que o mundo de Lennie exploda...







Autora: Jandy Nelson 
Editora: Novo Conceito
Páginas: 423


        A história começa quando Lennie perde a irmã mais velha, e na ausência da irmã ela se vê perdida, sem saber quem é, já que antes ela vivia a sombra da irmã. 
 Minha irmã vai morrer todos os dias, pelo resto da minha vida. A dor dura para sempre. Não desaparece nunca; torna-se parte de nós, a cada passo, a cada suspiro. Nunca vai parar de doer, Bailey, porque nunca vou deixar de gostar muito de você.
        A impressão que eu tive durante a leitura era de que estava lendo um grande poema. Ele transmite a dor da personagem, sua confusão, seu luto e mostra como Lennie foi dando passos em busca do auto conhecimento e da superação de sua perda.

      Devo dizer que em alguns momentos fiquei um pouco incomodada. A irmã da Lennie  tinha um namorado, e em momento de luto em conjunto, eles acabam se envolvendo e achei isso um pouco... estranho, mas no decorrer da história conseguimos digerir um pouco isso.

       Somos levados a trechos de quando Bailey ainda estava viva, e Lennie apresenta como se sente com a saudade.
 Como vou sobreviver a esta saudade? Como os outros fazem? As pessoas morrem o tempo todo. Todo dia. […] Há pessoas em todo lugar na fila do cinema, comprando cortinas, passeando com cachorros, enquanto, por dentro, com o coração despedaçado. Durante anos. A vida toda. Não acredito que o tempo cura. Não quero. Se curar, não significa que aceitei o mundo sem ela.
       Em determinado ponto, quando aparece um rapaz que o sorriso parece o sol, Joe Fontaine, Lennie trás mais uma vez a culpa. Ela acha que não pode se apaixonar porque precisa estar de luto pela irmã e já se culpa o suficiente pelo envolvimento com Toby. 

      Além de todos esses pontos, também é abordado o abandono que Lennie e Bailey passaram pela mãe. Jandy nos trás uma história triste, mas ela vai traçando de uma forma que quando as coisas se ajeitam, o leitor entende que por mais que a esperança não apareça logo de cara, tudo é parte do crescimento.

         Eu adorei. Não é um tipo de história para aquecer o coração, é um livro que faz pensar no conceito de aceitação. Não só no que diz respeito à morte, mas até mesmo nos erros que o ser humano é rapaz de cometer e se perdoar.

       Achei as divisões de capítulo muito lindas, porque elas são os pensamentos que Lennie escreve e joga no mundo! Pera que vou explicar: Lennie costuma escrever seus pensamentos na primeira coisa que vê pela frente, como pedaços de papéis, copos de papel, etc, e joga no mundo, seja ao vento, enterrando, ou qualquer outra forma. 

Resultado de imagem para o céu está em todo lugar frases

           Além dessa capa, a obra ganhou outra edição, mas particularmente gostei mais da primeira. 

 E vocês, o que acham?

                                                

Classificação




Deixe um comentário